domingo, 28 de outubro de 2012

O SISTEMA DE COTAS PARA NEGROS E O MENSALÃO




            O governo federal planeja anunciar no próximo mês, provavelmente no dia nacional da Consciência Negra, a adoção de cotas para negros no funcionalismo público federal.
            O ministro Joaquim Barbosa, quem admiro muito, não precisou de nenhum tipo de cotas para chegar ao topo onde chegou, mas votou a favor da constitucionalidade do sistema de cotas para as universidades... Mesmo discordando, não tenho como não acatar decisões tomadas por um colegiado de homens preparados como ele.
            Não sou jurista, mas divirjo por achar que esta decisão contraria o artigo quinto da Constituição Federal que diz que “todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza”, tanto, que até os índios, etnia também injustiçada desde o descobrimento, na época protestou em frente ao STF contra a aprovação do sistema de cotas.
            Respeito democrativamente e não fico entrincheirado em minhas convicções, e é exatamente o que está acontecendo com o julgamento do Mensalão, os facciosos acham que todas as decisões contrárias às em que acreditam são tendenciosas, mesmo quando fruto de decisões tomadas de forma transparente e democrática por pessoas constitucionalmente aptas para exercer tal função.
            Mesmo assim, alguns “aloprados”, antes mesmo da condenação dos réus do Mensalão, já estavam, antecipadamente, recolhendo assinaturas pela internet, através de petição pública, para anular todas as decisões judiciais do STF relacionadas à Ação Penal 470.
            Atitudes como esta é uma cópia fiel do comportamento dos réus a quem defendem com tanta veemência que, transvertidos de democratas, só pensavam em perpetuarem-se no poder através de “tenebrosas transações”.             
            O grande perigo é quando o bem comum, traduzido neste governo em avanço popular e ascensão das camadas mais pobres da população, são usados criminosamente para destruir a essência da democracia, que é a alternância no poder. Não temos mais oposição e até movimentos sociais relevantes que peitavam a ditadura militar como a UNE e os sindicatos, aderiram ao governo, e isto é profundamente sintomático, nos remetendo sempre à História para buscar respostas, neste caso, o peleguismo Getulista ou, na pior das hipóteses, à República Velha quando os coronéis também não tinha oposição.   
            Sou muito repetitivo e estou sempre usando meu conteúdo, História, para fazer estas analogias em que a democracia é usada como trampolim para o totalitarismo, e aí um outro fato histórico que ilustra bem o que também poderia acontecer com o Brasil se o mensalão não tivesse sido descoberto, quando um governante chegou ao poder pelo voto popular, fez mudanças radicais em seu país, recuperou a economia, devolveu o orgulho ao seu povo, em seus primeiros quatro anos de governo o número de desempregado caiu de 6 milhões para 900 mil pessoas, o produto interno bruto cresceu 102% e a renda per capta dobrou, etc... veja a semelhança em relação à economia:  
            Azar daquele povo por não ter tido o privilégio de encontrar um Joaquim Barbosa no meio do caminho antes de tudo ter ficado irremediavelmente perdido.
            Se o mensalão não tivesse sido descoberto, já teríamos aí uma série de leis com objetivos totalitários, dentre as quais destaco o "controle social da imprensa" para dificultar quaisquer denuncias sobre a estrutura administrativa que “estava” sendo criada visando o aparelhamento do Estado, não a serviço da sociedade, mas de um partido político que pretendia liquidar com a alternância democrática e perpetuar-se no poder com uma ideologia que supostamente “tinha” todas as respostas prontas para a complexa realidade social do país.
                Embora achando a medida equivocada, as cotas pelo menos tem objetivos nobre que é corrigir as injustiças históricas provocadas pela escravidão na sociedade brasileira...
       
CLIQUE NA FOTO

Um comentário:

Jenny Horta disse...

Meu amigo Fernando! Estas chamadas "políticas inclusivas! nada mais são do que tentar tapar o buraco da discriminação social ao invés de corrigir o enorme abismo entre a ESCOLA de POBRE e ESCOLA de RICO!!! É muito mais barato conquistar e manipular o povo do que lhes oferecer EDUCAÇÃO e SAÚDE de qualidade. Só falta fazerem cotas nos hospitais públicos também, pois na cabeça deles, só o negro é pobre...
E, com isso, eles estão incitando o povo a achar que quem é contra é racista... tenho um filho negro, criei como os meus, ele não fez universidade porque não quis, é um grande homem de bem e me orgulho dele!!