segunda-feira, 31 de agosto de 2009

IDÉIAS PARA SE COLOCAR EM PRÁTICA

PROFESSOR ALEXANDER NEILL
“Dificuldade não está nas idéias novas, mas em escapar das antigas”Lord Keynes

NÃO DEIXE DE CLICAR NOS LINKS

           Vivemos um período de mudanças na educação e toda mudança sempre nos parece muito ruim, já que a maior dificuldade não está em mudar a realidade em si, mas em desenraizar velhas práticas e alterar antigos paradigmas, que são os verdadeiros obstáculos a qualquer transformação.
           Muitos ainda não se deram conta da importância de se transformar a sala de aula em um espaço criativo que transforme o aprendizado em puro prazer e que isso só poderá acontecer se o relacionamento entre o aluno e o professor for baseado em muita afetividade e liberdade.
           Alguns enxergam essa aproximação como uma quebra de autoridade que sempre irá redundar em excesso de liberdade e indisciplina, daí delimitarem com muita clareza o papel de cada um desses atores protagonistas como se fossem água e óleo.
           Nunca tinha ouvido falar em “Inteligência Emocional” e, de repente, a descoberta desta outra inteligência, que não a racional, expandiu meus horizontes pedagógicos e criou novos parâmetros para a compreensão daqueles alunos com sérias dificuldades de aprendizado, mas que quando adultos, se davam muito bem tanto na vida pessoal como em seus relacionamentos profissionais, mas por não conseguirem canalizar este potencial no período escolar, eram as principais vítimas deste perverso sistema de ensino.
           Introduzir o diálogo como um procedimento corriqueiro no dia-a-dia escolar, encorajando o jovem a pensar, ouvir, falar e questionar, intensificando seu relacionamento pessoal e despertando seu interesse na descoberta de novas realidades é certamente a única saída para transformar a chatice da aula expositiva e do conteúdo sem utilidade prática em algo parecido com a hora do recreio.
           O grande desafio é transformar este sonho em realidade e isso só se tornará possível se todas as nossas ações estiverem impregnadas de sensibilidade e afetividade, só assim nos tornaremos os “promotores da felicidade  na sala de aula” (Não deixe de clicar no link).
            Alexander Neill (foto), o mestre da liberdade, dizia que a educação deveria trabalhar basicamente com a dimensão emocional do aluno, para que a sensibilidade ultrapassasse sempre a racionalidade...

VEJA AQUI OS PROJETOS DO COLÉGIO JOSÉ GARCIA

CLIQUE NA FOTO PARA VER O SIMPÓSIO QUE FIZEMOS SOBRE DEMOCRACIA NO COLÉGIO OLAVO TOSTES, EM MURIAÉ

OITAVAS - COLÉGIO OLAVO TOSTES - APRENDER BRINCANDO - CLIQUE NA FOTO

Mais Alexander Neill  no blog do Educador Rogério Wong "As Aventuras de um Educador Chinês no Brasil"

5 comentários:

Polzic disse...

Muy buen blog! Te invito a visitar el mío!

www.legosargentina.blogspot.com

Muchas gracias!

Rogério Wong disse...

Muito bom este post, em julho dediquei-me a falar sobre AS Neill, na seção sobre educadores, recebi diversos retornos. O trabalho dele ainda influencia muita gente, fora que Summerhill continua sendo referencia educacional.

Inté mais

Jenny Horta disse...

Oi amigo!! Sabemos por nossa própria experiência enquanto alunos que só aprendemos com aqueles que nos cativam de alguma forma. Aprendizagem é via expressa, se não for de mão dupla, de troca, não flui...

Nelza Jaqueline disse...

Bah, baita desafio. Tento, tento, consigo com alguns, mas não consigo com todos, isso me angustia!!! Será que as velhas práticas estão profundamente enraizadas em mim? Logo eu que na teoria sou tão aberta...
vou ler mais sobre esse autor, obrigada por esse post.

Abraço,

FERNANDÃO disse...

Oi Neuza!
Perdoe-me se passei esta falsa impressão sobre o meu dia-a-dia em sala de aula, na verdade estamos todos no mesmo barco, mas o sonho tem sempre que preceder a realidade. O segredo é sonhar e desejar muito, assim, quem sabe, nosso barco um dia chegue lá.
Bjs no coração