sexta-feira, 6 de março de 2020

ETIMOLÓGICAMENTE SOU UM RADICAL LIBERAL



Gaveta virtual, guardando meus rascunhos online


             Ferrenho seguidor da ideia contida nas palavras Paulo, em Tess 5:21: (1) "Examinar tudo e reter só o que for bom", tirei todos os penduricalhos da postagem que publiquei em julho/2014, e desfraldei a bandeira do livre pensamento como expressão máxima da minha militância política.
          Não consigo aprisionar meu pensamento nesse cárcere bipolar de esquerda/direita, por isso luto com todas as forças do coração contra essa tendência circadiana de olhar a política como se ela tivesse características biológicas inalteráveis como  vigília e sono ou vida e morte. Ao contrário disso, pode haver sim pontes de entendimento ligando posições antagônicas em benefício do país, dois exemplos que gosto de usar é a política (2) na Finlândia, e o outro foi aqui mesmo no Brasil com a união entre Lula e o meu conterrâneo muriaeense(3) José Alencar (Clique), um líder do Sindicatos dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e outro líder do Sindicato dos Patrões, no Sindicato das Industrias de Fiação e Tecelagem de Minas Gerais. 
                   A esquerda sente repulsa até pela palavra liberal, mesmo quando digo que minha liberalidade é a mesma para tudo na vida. Já para a atual direita brasileira a palavra soa como música aos seus ouvidos quando digo que sou(4) liberal na economia, mas igualmente rejeitam meu(5) liberalismo nos costumes. "Os dois lados" cobram lateralidade em minhas posições, quando a única coisa que desejo é estar à frente ou no alto dessas posturas insignificantes.
          Tudo que escrevo e penso é fruto do meu idealismo pragmático (contradição?), "do meu coração sempre dividido entre o sonho e a razão", não fosse por isso(6) acreditaria no “Fim da História" de Fukuyama, mas apesar de não ser economista, concordo com ele que (7) o capitalismo é o mais eficiente sistema na produção de riquezas, porém, sei também que sua essência é baseada na ausência de regulamentação, que é exatamente a gênese de todas grandes crises sociais e econômicas que volta e meia abala o mundo.
               ( 8) O simples fato de já haver uma prática de governos interferirem no mercado  para conter distorções e especulações, já é um indício de que esse suposto "fim da história" nunca acontecerá, ao contrário, Adam Smith deve estar se revirando no túmulo, se já não estiver de ponta cabeça, depois que os EUA, o maior país capitalista liberal do planeta, ter injetado trilhões de dólares para salvar as maiores companhias americanas na crise imobiliária de 2008, uma interferência do Estado muito mais radical, à esquerda, do que as medidas praticadas por Lord Keynes para debelar a “Crise de 1929".
                Minhas dúvidas são comuns a todos que tem sinceras preocupações sociais com os menos afortunados, mas só o capitalismo pode fazer frente às demandas de recursos para financiar (09) *benefícios sociais  como o SUS ou o Bolsa família (Aqui também) independente dos nomes de quem criou o Bolsa Família, eu mesmo participei de seu embrião nos anos 80, ajudando o Centro Espírita Anjo Gabriel (ver na barra lateral aqui do blog: "Não sou espírita") distribuir ticket de leite no bairro Aeroporto, aqui em Muriaé, lá no governo Sarney. Teve também o Bolsa escola, Bolsa Alimentação e o auxílio-Gás, a unificação de todos resultou no bem sucedido Bolsa Família, engana-se quem pensa que a "roda" foi inventada depois.
    (10) Em um país tão carente e desigual como o nosso essa dicotomia entre a eficiência na produção de riquezas e gastos sociais estratosféricos, não tem sustentação alguma, quer seja no socialismo científico de Karl Marx ou no capitalismo liberal de Adam Smith, meu medo é que aqui no Brasil, matem a "galinha dos ovos de ouro" jogando dinheiro pelo ralo nas más administrações de empresas estatais, descontinuidade de políticas públicas, e, para mim, o pior de todos os males, parlamentares sem vínculos com eleitores (voto distrital)
           Meu medo é que confirmem o prognóstico da ultradireitista Margaret thatcher: "O socialismo dura até acabar o dinheiro dos outros", sei que esse meu entendimento leigo de economia não está nos planos da esquerda, tampouco da direita, nos dois predomina "a fome com a vontade comer"... Um lado quer secar com a fonte, tirando mais água do que colocando, do outro lado só alguns poucos bebem a água. A hegemonia de qualquer um desses dois lados seria o mais completo caos.
         É difícil fazer entender aos que me cobram "lado", a essência e a amplitude do livre pensamento, como fazê-los entender que as divergências políticas são como afluentes de um mesmo rio, as águas podem até não se misturarem por um determinado trajeto, muitas vezes conturbado, mas acabam desaguando juntas num mesmo oceano que "deveria" ser o bem comum. 

*   Independente de esquerda/direita, liberalismo/socialismo, em um país com tantas diferenças sociais como o nosso, é imperativo que o governo tenha mecanismos para diminuir esses desequilíbrios, e esses dispositivos precisam estar incluídos no orçamento, porém, não se pode perder de vista que dinheiro não tem geração espontânea. Se o país gasta muito mais do que arrecada, faltará investimentos na produção e na infraestrutura, consequentemente, comprometerá o emprego.

Nenhum comentário: