quinta-feira, 14 de outubro de 2010

"O LULISMO NO PODER", ELEITOR INDECISO E REFORMA POLÍTICA

Mas, como alertava Nelson Rodrigues, entre outros, a unanimidade pode ser perigosa. Ao menos para a inteligência. Se admiradores do presidente Lula tiverem a oportunidade de se defrontar com argumentos que o coloque sob um prisma menos favorável, poderão até não se deixar convencer por eles, mas talvez tenham a oportunidade de refletir e de manter suas convicções, que, depois de expostas a juízo diverso, provavelmente ficarão mais consistentes. (...) " . Norma Nascimento
            Em meu "autoretrato"aqui no blog (Quem Sou Eu), mostro os caminhos do pensamento que percorro para afastar-me da alienação provocada pelas idéias preconcebidas ou dogmáticas que possam me impossibilitar de questionar ou duvidar qualquer assunto, quer seja sobre cultura, religião, política ou alguma outra maneira de ver o mundo, por isso, a dica da jornalista Norma Nascimento é a melhor vacina para prevenir contra qualquer tipo de sectarismo, além de ser um eficiente antídoto para a dismorfofobia daqueles que negam-se a olhar no espelho.
           Nesta época, com tantos "daltônicos bicolores", que só conseguem enxergar duas cores: "azul" ou "vermelho", esta postagem pode até parecer uma ação partidária, no entanto, apesar de não acreditar em neutralidade, defendo a livre informação como pressuposto indispensável à democracia, e escrever sobre este assunto torna-se imperativo em véspera da eleição, principalmente depois das postagens que fiz antes do primeiro turno, com 10 artigos sobre as minhas reflexões aqui no blog sobre política, e a última (link abaixo) sobre o político que fez minha cabeça.
           O voto dos chamados "eleitores indecisos" já está sendo disputado pelos dois candidatos, termo muitas vezes, inadequado, pois não se deve considerar indeciso quem se reserva o direito de examinar atentamente, desde agora até o fim da campanha, o que é melhor para o país. Evitar posicionar-se antecipadamente me parece o mais sensato, já que, com todos os problemas sociais que temos; diminuir a margem de erro nesta escolha deveria ser um dever cívico de todos, independente da coloração que cada um insiste em dar para si.
           Nosso país precisa mesmo é de uma profunda reforma política (segundo, terceiro e quarto parágrafo), e criar as condições necessárias para que a população possa regionalizar os debates em época de eleições e conhecer, de fato, as ações de nossos políticos, e isto, felizmente, os dois candidatos já se comprometeram a fazer, caso sejam eleitos, afinal, sem voto distrital, como o eleitor vai controlar o desempenho de políticos de lugares distantes que só aparecem de quatro em quatro anos para pedir votos? Como o eleitor vai fiscalizar a atuação dos três deputados ( PRB, PT e PCdoB) que foram eleitos, à reboque, com as sobras de votos do Tiririca?
           Quando buscamos a verdade, as opiniões contrárias são como afluentes opostos de um mesmo rio, onde cada um dá a sua contribuição para o crescimento de suas águas, mas que, ao final de um restrito trajeto onde estas águas eventualmente não se misturam, acabam unidas, desaguando num mesmo oceano que é o bem comum.

8 comentários:

Robson Freire disse...

Querido Fernandão

Que beleza o seu blog, mas que escolha infeliz essa de colocar o Merval e seu lixo de livro. Um repórter que está a serviço da mídia (PIG) que apoiou o golpe e patrocina o maior serviço de desinformação a nação.

Parafraseando o Lula, nunca antes nesse pais a clase mais pobre tece tanto acesso a tudo como agora, a elite dominante nunca fez nada (e nem o fará se for eleita) pelos menso abastados.

Um bom governo é para esse povo que precisa de serviço publico de qualidade. Tá bom? Ainda não, pois pode melhorar mais. Mas o "azul" é o caminho para essa melhora? Nunca pois eles se serviram da nação durante anos e nunca fizeram nada.

Eu e você sabemos o quanto foi feito em educação, nesse pais durante o governo Lula. Por isso meu compromisso é pela continuidade do que está sendo bem feito pela educação e pelo país.

Abraços do amigo

Robson Freire

Miriam Salles disse...

Fernando,
Pois é, ultimamente ando irritada, muito irritada mesmo, com determinadas posturas.
O que se vê é um discurso como se ao não ser mais do "lado vermelho da força" fosse um pecado capital ou um sinal de ignorância.
E confesso, não gosto nem um pouco de pensar que é assim que a militância quer conquistar os votos dos indecisos e mesmo os do "lado verde da força".
Penso que não é desse jeito que se há de pensar em um país unido pra continuar crescendo com justiça social e pensando nas futuras gerações.
Parabéns pelo post!
abço

Elis Zampieri disse...

Oi Fernando...Eu gosto de olhar com olhos que vêem. Quando eu assumo que sou isso e não aquilo, que tenho essa cor e não outra, posso correr o risco de ter uma visão muito unilateral, de enxergar aquilo que eu quero enxergar, apenas. Acho isso um risco. Creio que é a busca pela verdade,o empenho em se chegar até ela e não a sua posse que define o valor do homem.

Um abraço.

FERNANDÃO disse...

Não comento comentários, apenas copiando e colando de outros espaços que freqüento:
“(...) Fernando, age com cinismo (no sentido filosófico da
palavra) tem vontade de falar mas não fala, Poe outro pra falar.
Coloca esse pistoleiro da imprensa brasileira no seu blog, virou palanque do
PSDB !
Se diz "revolucionário " mas demonstra ser atrasado das ideias, e contra os
avanços populares.
Você da espaço para pilantras da imprensa brasileira, porque não repercute o
Paulo Henrique Amorim, ou o Emir Sader e outros.
Não vou dizer que estou decepcionado, porque já tinha intuído suas posições
por outros e-mails que tenho visto seus aqui no grupo”.

FERNANDÃO disse...

“Fernandão
É verdade, nem todos são ruins, tanto que vou te indicar alguns que pensam e discursam independente da grande mídia com liberdade de pensamento e opinião:
Tulio Vianna http://migre.me/1zAmm
Luis Nassif http://migre.me/1zAnd
Helio Paz http://migre.me/1zAnQ
Paulo Henrique Amorim http://migre.me/1zArp
Cynthia Semíramis http://migre.me/1zAHP
Eduargo Guimarães http://migre.me/1zAuH
Emir Sader http://migre.me/1zAyF
Luiz Carlos Azenha http://migre.me/1zAB8
Observatorio da Imprensa http://migre.me/1zAC2
Carta Maior http://migre.me/1zAD3
Tijolaço.com http://migre.me/1zAEk
Bob Fernandes
Há de lembrar a demissão da jornalista Maria Rita Kehl ( http://bit.ly/9od0Wm ) é psicanalista, ensaísta e cronista. Tem seis livros publicados. O mais recente, O Tempo e o Cão, foi lançado em 2009, pela Boitempo. Nele, aborda o significado da depressão como sintoma psíquico da sociedade contemporânea. Maria Rita é a ganhadora do Prêmio Jabuti 2010 na categoria Educação, Psicologia e Psicanálise com O Tempo e o Cão.
O professor nunca poderá está atrasado nas ideias e principalmente contra as conquistas socias, que tenham o objetivo de incluir os mais necessitados.
Mais uma vez reintero que nos sabemos o quanto foi feito em educação, nesse pais durante o governo Lula. Por isso meu compromisso é pela continuidade do que está sendo bem feito pela educação e pelo país”.

FERNANDÃO disse...

"Fernando e ...
Neste momento a política está afetando em muito as nossas vidas. E o resultado desta eleição vai ter um grande impacto em nossas vidas, sendo a maioria aqui professor. Quando penso na política usada com os professores de São Paulo, entro em pânico.
E este espaço, penso eu, é sim um fórum onde podemos discutir estas coisas. Somos todos amigos, virtuais, mas amigos :), e podemos debater ideias sem receio, respeitando cada um a visão de mundo do outro”.

Anônimo disse...

Realmente, Fernandão, o mais importante para a democracia é a livre informação. O problema é que ela não existe. O que existem são informações, com as mais diversas origens e intenções, mas que sempre são mediadas (daí o termo mídia) por alguém. Por mais que algum informante se apegue a um princípio honesto de informação, esta sempre virá através do olhar de alguém. Não vejo nisso um problema. Também não vejo grandes problemas quando uma determinada parte da mídia utiliza de má fé para disseminar determinadas ideias nos meios de comunicação. O problema está nos créditos que lhes são dados movidos por pura ignorância ou mesmo preguiça em buscar ter acesso aos verdadeiros fatos ou às ideias que fundamentam essas ideologias (o que não deixa de também ser ignorância).
A minha revolta se estabelece na inércia do povo que tem certa instrução e abre mão do conhecimento real porque é mais fácil se deixar levar pela sentido da maré. Digo isso principalmente sobre a nossa classe de professores, muitos (e como são muitos) não têm sequer conhecimento básico sobre política, ainda acreditam que 50% +1 dos votos nulos resultarão na anulação das eleições ou que votar no Tiririca é um ato de protesto, mas desconhecem o fato de que outros candidatos (no mínimo suspeitos de corrupção) irão se beneficiar com esses tais votos de protesto. São muitos os motivos que me levam a locar minha indignação nessas classes ditas "informadas".
O problema não está na mídia que tenta manipular as opiniões, está nas pessoas que se deixam manipular ou até mesmo "preferem" ser manipulados. O problema não está nas estratégias dos partidos que enchem nossos ouvidos de falácias, está nas pessoas que não as conseguem perceber.
As pessoas podem falar as besteiras que quiserem, somos nós que escolhemos acreditar ou não no que estamos a ouvir.
Voltando ao que foi postado, a visão do Sr. Merval Pereira é clara, cabe a nós concordarmos ou criticarmos seu ponto de vista, baseados sempre em fatos e argumentos.
Leitura e interpretação são importantes não apenas em textos literários. É preciso aprendermos ler fatos, textos também, ler argumentos, interpretar intenções e ações.
Como disse um certo revolucionário "um povo que não sabe ler é facilmente enganado".
Por isso, não vejo o vídeo do jornalista Merval Pereira como um problema, pelo contrário, vejo como uma ótima oportunidade de análise e discussão sobre as ideologias que estão sendo apresentadas como verdades absolutas.
Sabemos muito bem, pois é notório, que o governo Lula obteve importantes avanços em diversas áreas do nosso país. Também precisamos saber que isso só foi possível por termos uma moeda estável, uma economia equilibrada, por mais que a alta taxa de juros (a qual tanto reclamamos) foi um dos principais fatores que nos salvaram de afundarmos mais ainda na crise global de 2008/09. Mas também sabemos que o principal ponto negativo desses oito anos de governo foi a corrupção. O problema é que tenho consciência de essa corrupção que veio a tona, principalmente o acontecimento mais marcante referente ao mensalão, não é um acontecimento do governo Lula, já era uma prática que, praticamente, havia se tornado cultural na Câmara. Tenho conhecimento de que esse "incentivo" já era praticado há, pelo menos, 12 anos. Mas foi no governos Lula que ela veio à tona. Nos bastidores, o que se discute não é o problema do mensalão, mas a incapacidade de não ter deixado essa prática vir ao público.
Esse é apenas um exemplo de como muitas das discussões beiram a superficialidade, por mais que estejam revestidas de protestos e de críticas contra a grande mídia.
É preciso saber ler e interpretar.

Por hora acho que foi mais do que suficiente. Grande abraço e parabéns pela iniciativa de propor um espaço de discussão.

Israel Mattozo

Fernandão disse...

Onde se lê "Fernandão" aqui nestes cometários, são Ctrl C e Ctrl V fr comentários de outros espaços que frenquento.
Não comento comentários.