segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

“GASTAR DINHEIRO COM PRESIDIÁRIOS? DEIXE QUE ELES SE DEGOLEM"

RASCUNHO ONLINE

         O professor Darci Ribeiro previu que a falta de investimento na educação básica faria faltar, por demanda, dinheiro para a construção de presídios... gastamos mais dinheiro com presos do que com estudantes, e exatamente pela falta de educação, nos deparamos com pessoas que "pensam" que “os presos mortos, esquartejados e decapitados, como aconteceu no AM, RO e RN tiveram o que mereciam, e que é um absurdo gastar dinheiro com presidiários”.
             Ali na esquina dessa nossa pequena aldeia global, estão fechando presídios por falta de presos (Suécia), na comunidade vizinha fecharam 19 cadeias nos últimos anos e transformaram penitenciárias em Hotéis (Holanda), uma terceira consegue reabilitar 80% dos presos (Noruega).
       Aqui, apesar do presságio de Darci Ribeiro, investiram em educação de cima para baixo, começaram esta importante construção pelo telhado, gastaram bilhões criando não sei quantas universidades, financiaram milhões de estudantes em universidades particulares e investiram pesadamente no ensino técnico, porém, a EDUCAÇÃO BÁSICA continuou como nos tempos do antropólogo.
           O Brasil ocupa o 53º lugar em educação (CLIQUE), ou o 60º lugar entre 65 países avaliados (PISA)... Não dá para acreditar que alguns educadores ainda tem coragem de encher o peito para proclamar os absurdos investimentos educacionais da última década.

domingo, 22 de janeiro de 2017

HIPOCRISIA


REFLEXÃO NA GEOGRAFIA HEDONISTA

       Com o passar dos anos desenvolvemos uma "sintonia fina" e ficamos mais rigorosos com os nossos erros, por isso, quero pedir a Deus que penetre bem no fundo do meu coração, naquela região em que ninguém consegue chegar, e me ensine a ser menos HIPÓCRITA, e agradecê-lo pela consciência de não ser o único.

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

NO CELULAR

VEJA O BLOG NA VERSÃO DA WEB

sábado, 19 de novembro de 2016

INVASÃO PRÓ DITADURA NA CÂMARA FEDERAL

RASCUNHO ONLINE



    "Na democracia você pode pedir a volta da ditadura e não é preso. na ditadura, se você pedir a volta da democracia você é preso e torturado” (jornalista Paulo Markun). 


              Os extremos se tocam quando impedem o direito de ir e vir das maiorias, independente da semântica, não importa se "invasão" ou "ocupação", se em escolas, vias públicas ou na Câmara federal.
              No caso da "ocupação" da Câmara, os manifestantes falaram de corrupção, mas não levaram em conta que a relação promiscua entre empreiteiras e governo começou na ditadura militar, segundo Pedro Henrique Pedreira Campos, em seu livro "Estranhas Catedrais", empresas como a Mendes Junior, Camargo Correa e Odebrecht tiveram seu nascedouro nesta época.
                A Odebrecht, por exemplo, era apenas uma ilustre desconhecida empresa de engenharia na Bahia, e só começou despontar com a construção do edifício-sede da Petrobras no Rio de Janeiro, depois vieram obras como o Aeroporto do Galeão, a Usina de Angra, o prédio da UERJ.               
          Os "ocupantes" da Câmara esqueceram também um exemplo recente, como o do vice-almirante da Marinha, diretor-presidente da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva, que foi preso pela 16ª operação Lava Jato, contraditoriamente defendendo o juiz Sérgio Moro, mas se estivéssemos na ditadura militar a censura à imprensa impediria que ficássemos sabendo disso, e nem mesmo a operação Lava Jato existiria.
                  Os radicais, de seus pontos extremos, sempre tem uma visão, clara e perfeita de  alguém ou um sistema infalível, como se ideologia, religião ou qualquer coisa parecida pudesse purificar o ser humano de dentro para fora.

MAIS SOBRE DITADURA NO BOGUETANDO: CLIQUE AQUI 
                
           
               
                    




sábado, 8 de outubro de 2016

AUTO-


sexta-feira, 29 de julho de 2016

A BOBAGEM HISTÓRICA RECORRENTE

RASCUNHO ONLINE

“QUEREMOS UM GOVERNO AUTORITÁRIO PARA POR ORDEM NA CASA"         

           Ontem um amigo querido mandou-me um discurso do General Paulo Chagas, apontando o viés autoritário como a única saída para a atual crise moral/econômica/política do país, a esquerda bateu tanto nesta tecla que as pessoas menos informadas (não é o caso do meu amigo) acham que todo liberal é a favor do autoritarismo, quando pela própria origem etimológica da palavra, LIBERDADE, em todos os seus desdobramentos, é a característica principal de todos que pensam como eu.
              Não sou nenhum "estulto" ou beócio, predador da natureza ou dos direitos humanos” (link de Leonardo Boff), mas minha autonomia de pensamento me leva ao pensamento do apóstolo Paulo, em Tess 5 11: "Examinai tudo: abraçai o que é bom", e um artigo que escrevi aqui no blog define bem meu pensamento político, além de ser um humanista, respeito a diversidade, sou a favor da pluralidade democrática, do Estado de direito, independência de pensamento e da contradição, enfim, da liberdade em todas as suas vertentes, e defender esse tipo de solução significa um retrocesso, não pontualmente à nossa política atual, mas uma regressão em relação a todos os avanços e conquistas do pensamento humano.  
      Por causa deste discurso lembrei de duas personagens recentes da História contemporânea, o General Abdul Fatah Khalil Al-Sisi que está no comando do regime militar Egípcio, após um golpe de Estado devido sua oposição ao presidente, eleito democraticamente, Mohamed Morsi, do grupo fundamentalista religioso Irmandade Muçulmana, que pretendia implantar um regime teocrático no Egito. 
      Dentro dessa mesma linha autoritária de raciocínio, recordei também no presidente islamita-conservador turco Tayyip Erdogan, que promoveu na semana passada um contragolpe (também um golpe na democracia) porque boa parte dos militares de seu país queriam exatamente o contrário do ditador egípcio, um golpe de Estado para que a Turquia continuasse sendo um Estado Laico.
     Na cabeça dos autoritários o sonho é criar um paraíso na terra pela força, e seus adeptos os tratam como semideuses, um exemplo claro é Che Guevara, todos com a mesma pretensão (Não deixe de clicar no link), como se estivessem acima do bem e do mal. 
      Um argumento recorrente aqui em nosso país é “todos os militares saíram do governo pobres”, "não roubaram", a maioria defende pena de morte, e assim por diante, como todos os autoritários, a motivação pode ser diferente, mas as “soluções” sempre são idênticas.

EM TEMPO: Não consigo entender o pensamento estático, que não muda nem diante da dinâmica dos fatos, acho burra a defesa incondicional de qualquer ideia que nega evidencias. Acho esta história de "petralha" e "coxinha", assim como todo o nosso atual sistema político "UM PORRE" (clique no link e confira)